21 de ago de 2012

Como Otimizar a Memória com o Método de Estudo (Kheyder Loyola)


COMO OTIMIZAR A MEMÓRIA COM O MÉTODO DE ESTUDO

1. O DESENVOLVIMENTO DA MEMÓRIA

O objetivo deste texto é apresentar uma técnica sobre o desenvolvimento da memória, na finalidade de tornar prazeroso o estudo, armazenando o maior número de informações e auxiliando na conquista do sucesso profissional. Não tem a intenção de relatar e desvendar estudo médico, ou reinventar a roda, mas apenas repassar um assunto já difundido por estudiosos da matéria e que confirmaram a praticidade do tema.

A princípio, é prudente deixar fixado que cada indivíduo constroi o mundo, em seu cérebro, de acordo com seus interesses pessoais, tendo uma visão subjetivamente particular sob os mais variados acontecimentos; guardando milhares de informações em diversos contextos. MAS COMO ARMAZENAMOS TODAS AS INFORMAÇÕES?

“O cérebro é como um paraquedas. Só funciona quando está aberto” (Sir James Dewar).

Pode-se afirmar, genericamente, que a mente humana está equipada com dois tipos primários de memória: memória aparente, também chamada de memória ativa e imediata. É aquela onde armazenamos os fatos corriqueiros do dia a dia. Ex.: lembrar de comprar pão, um remédio etc.; memória duradoura, também conhecida como memória remota. Trata-se de uma memória que protrai no tempo. Ex.: aquele cheiro de perfume que faz lembrar a pessoa querida.

Um dos maiores pesquisadores no campo da aprendizagem, o psicólogo búlgaro Georgi Lazanov, sustenta que utilizamos no máximo 10% do cérebro, o que resta afirmar que sobram os 90% para crescer.

“Assim que você pensar que sabe como são realmente as coisas, descubra outra maneira de olhar para elas” (Sociedade dos Poetas Mortos).

Barry Gordon, Chefe da Clínica de Desordens da Memória da Escola de Medicina John Hopkins, afirma que “o que consideramos memória são padrões de conexão entre células nervosas”. Em sendo assim, nosso cérebro não mede, mas compara por associações de outras experiências da vida.

O presente contexto tem a pretensão de apontar para o leitor como obter um registro duradouro da informação. Como permanecer com os dados captados pela memória aparente (imediata) e transportá-los para a memória definitiva?

O hipocampo (pequena estrutura bipartida localizada no centro do cérebro) é quem autoriza o registro duradouro das informações.

Pesquisas indicam que duas situações influenciam o crivo do hipocampo: a informação terá registro duradouro quando maior a significação emocional da informação; a informação terá maior probabilidade de registro se associar com algo já conhecido.

Como base do que acima dissemos, podemos afirmar que o cérebro armazena apenas a informação necessária, aquela que atende ao interesse particular do indivíduo, para o seu uso.

Desse modo, o cérebro dispensa o que ele considera lixo cerebral, focalizando essencialmente aquilo que lhe interessa. Note-se que se o cérebro não dispensar importância a uma informação essencial, depositando emoção, o processamento considerará a referida informação um lixo cerebral a ser descartado.

2. PASSOS PARA O DESENVOLVIMENTO DA MEMÓRIA

A memória é um instrumento de trabalho muito poderoso. Com o auxílio de técnicas se verifica o aperfeiçoamento na medida de sua utilização.

Apresentam-se dez passos para otimizar a memória e desenvolver com tecnicismo o armazenamento da informação, conquistando o objetivo com excelência:

  • Primeiro Passo: Interesse e autocontrole. Ter disposição e disciplinar suas atividades. 

  • Segundo Passo: Motivação. A memória aumenta proporcionalmente ao motivo. Valorize a informação para armazená-la na memória duradoura. 

  • Terceiro Passo: Controle. A memória precisa ser disciplinada a obedecer, o cérebro sempre buscará coisa melhor que o sacrifício e dedicação. Ir ao clube é melhor que ficar estudando em casa para o exame da OAB? Não ceda aos seus caprichos. 

  • Quarto Passo: Aprender. Para ter uma memória permanente, também é preciso compreender o que está sendo memorizado. Tendo significado, melhor será o armazenamento da memorização. 

  • Quinto Passo: Criar metas a serem atingidas. O estudante precisa traçar uma meta imediata e uma meta mediata para seus objetivos. Não se desenvolve a memória sem um objetivo. Programe-se com seu tempo. 

  • Sexto Passo: Princípio do esforço pela recompensa. Terá que estabelecer a recompensa (prazer) pela dedicação dispensada nos estudo. A memória terá eficiência se a ela for associada uma recompensa. 

  • Sétimo Passo: Reminiscência (planejar rever o que estudou) e espacejamento (deve haver intervalos durante o estudo para o desenvolvimento da memória). 

  • Oitavo Passo: Mapas mentais. Visão de conjunto das informações a serem armazenadas. 

  • Nono Passo: Recitação. Expor o conteúdo do estudo é o segredo para garantir a memória permanente. 

  • Décimo Passo: Memória seletiva. Como afirmado anteriormente, o cérebro seleciona o que é importante e o que é lixo mental. É considerar a matéria como sendo importante, sem a qual não se obtém o objetivo. A eficiência da memória é subjetivamente ligada pela fabulosa capacidade humana de esquecer.


3. DESENVOLVENDO O MÉTODO DE ESTUDO

Para termos excelência na memória, precisamos dispensar total atenção ao que estamos estudando, por meio da técnica que passaremos a expor, utilizando o método da constante repetição.

Depois de muitos anos de estudo, o pesquisador Ebbing Haus concluiu que uma pessoa que não desenvolve a memória: em uma hora, esquece 56% do que é lido; em nove horas, esquece mais 8%; em dois dias, esquece mais 6%; em um mês, esquece mais 7%.

Não restam dúvidas sobre a necessidade de otimizar a memória como fonte de armazenamento com excelência.

3.1 SUGESTÕES

Acrescente às suas anotações lineares mapas mentais. Trabalhe com cores diferentes de caneta. Crie exemplos práticos aos temas estudados (jurisprudências).

  • Estude em períodos intercalados de 50 minutos (esforço), descansando até 10 minutos (recompensa com espacejamento). 
  • Resuma a matéria em fichas de anotações e as revise em períodos curtos, pelo menos uma vez por semana (Reminiscência). 
  • Estude ouvindo música Erudita, assim você estimulará o estado ALFA (ciclo de onda cerebral que importará maior aprendizado). 
  • Faça refeições leves com intervalos curtos (3 horas). 
  • Faça exercícios físicos diários. “Mente sã, corpo são”. 
  • Verifique se você aprende pelo auditivo, visual ou sinestésico, para executar com mais frequência a característica no seu estudo.


Memorize a matéria conforme estudado anteriormente.

Tratando mais uma vez desse último tópico, é importante recordarmos que para uma boa memorização, você precisa de: COMPREENSÃO – ASSOCIAÇÃO – REPETIÇÃO – MOVIMENTO (imaginar cenas acontecendo na vida real).

Saiba identificar quem é o seu maior aliado. Não busque ajuda externa se ela estiver dentro de você. Após se conhecer, não tema o resultado, o sucesso é questão de tempo.

Segundo um ditado Chinês: “Se conhecermos o inimigo e a nós mesmos, não precisamos temer o resultado de uma centena de combates. Se nos conhecermos, mas não ao inimigo, para cada vitória sofreremos uma derrota. Se não nos conhecermos nem ao inimigo, sucumbiremos em todas as batalhas” (Sun Tzu).

4. APRENDENDO A ESTUDAR COM O AUXÍLIO DAS TÉCNICAS APRESENTADAS

Note que a grande massa dos candidatos ao exame da OAB, sem ter conhecimentos mínimos necessários, ingressa em cursinhos preparatórios pensando que isto, por si só, basta para a sua aprovação. O que é ilusão. Iniciam nos estudos com furor, sem organização ou qualquer habilidade, e logo se cansam. Estes estarão fadados ao insucesso. Agora, se desejar ser aprovado, comece organizando sua vida, planejando seu tempo e adquirindo o material de apoio.

Por todos os cursos preparatórios e universidades que passei pude observar, entre os estudantes, a mesma dificuldade, porque não se preocupavam em desenvolver um método de estudo. Não peque pela pressa. Tal fato se verifica na história de um vigoroso lenhador que um dia derrubou 70 árvores, ao passo que o recorde era de 72 árvores. No dia seguinte, querendo entrar para a história, acordando mais cedo, trabalhou duro e cortou apenas 68 árvores. Desgostoso com o resultado, sentado no refeitório, avistou um lenhador, já sem vigor físico, mas experiente, que o observava com pena e, chegando ao seu lado, perguntou: – Meu filho, quanto tempo você levou para afiar o machado?
Aprenda a montar seu esquema de estudo; isto nada mais é do que “afiar o machado”. Pois, conforme ensinamentos de um Provérbio Grego, “Começar... já é metade de toda ação”.

4.1 SIGA AS ORIENTAÇÕES:

  • Motivação (decisão de começar) - “Somos o que fazemos, mas somos, principalmente, o que fazemos para mudar o que somos” (Eduardo Galeno).
  • Compromisso (seja leal e persistente com seus objetivos) - “Nossa maior fraqueza está em desistir. O caminho mais certo de vencer é tentar mais uma vez” (Thomas Edison).
  • Autodisciplina (tenha domínio sobre si mesmo).
  • Organização (planejamento com responsabilidade) - O próprio Jesus Cristo, em parábola, Lucas 14:28-32, mostrou em ensinamentos, a necessidade de planejar, na construção de uma torre, iniciando pelas despesas e alicerce.
  • Perspicácia (preste atenção no que dispensa importância) - Acuidade, como ensina Aurélio, é agudeza de percepção.
  • Flexibilidade (adaptação dos sistemas de estudo à sua realidade) - “O mais importante da vida não é a situação onde estamos, mas a direção para a qual nos movemos” (O. W. Holmes).


CAPÍTULO II

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DO EXAME DA OAB

1. IDENTIFICANDO SEU OBJETIVO, SUAS VIRTUDES E DEFEITOS

O estudante, de um modo geral, tem que traçar metas para obter êxito em seus exames e concursos. Para tanto, é imperioso conhecer e identificar seu objetivo. Para saber se está no caminho, faça a seguinte pergunta a si mesmo: “ESTOU FAZENDO TUDO AO MEU ALCANCE PARA OBTER A APROVAÇÃO NO EXAME?"

Se a resposta for sim e ainda não estiver alcançando seu objetivo: ALGO ESTÁ ERRADO. Se a resposta for não, é porque AINDA NÃO IDENTIFICOU SEU OBJETO.

Como sugestão siga as orientações:

1ª – Identifique seu objetivo como sendo realmente: A APROVAÇÃO NO EXAME DA OAB. Note que a sinceridade é importante.

2ª – Identifique os elementos positivos, ou seja, verifique tudo o que está fazendo positivamente para seu sucesso: SUAS VIRTUDES (Ex.: dedicação, esforço, concentração etc.).

3ª – Identifique os elementos negativos, ou seja, selecione todos os atos que estão voltados em detrimento de seu sucesso: SEUS DEFEITOS (descompromissado, estudar deitado, ver televisão, procrastinar o início dos estudos etc.).

4ª – Nesta análise verifique a possibilidade: DE APRIMORAR AS VIRTUDES E SUPRIMIR SEUS DEFEITOS fazendo uma lista reconhecendo os atributos e reduzindo os maus hábitos que adiam o sucesso.

5ª – Após realizar a autoavaliação, reconhecendo e aprimorando-se, lembre-se: Dedicar-se e abster-se com EMPENHO. Não conte com a álea (sorte). Que fique registrado que O SUCESSO NÃO É DESTINO, MAS A JORNADA.

“Engraçado, costumam dizer que tenho sorte. Só eu sei que quanto mais eu me preparo mais sorte tenho” (Anthony Robbins).

CAPÍTULO III

TABELA SEMANAL DE ESTUDO PARA A APROVAÇÃO

Não tem a intenção de apresentar um método único, mas uma receita inovadora, buscando na técnica os elementos essenciais para o sucesso pretendido. Em três passos, apresenta-se uma fórmula prática que vem transformando alunos em pessoas hábeis para aprovação no exame da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB).

Estas tabelas sequenciais abaixo é a praticidade daquele método e técnica de estudos anteriormente apresentados, onde temos como parceiras inseparáveis a dedicação, a abdicação e a reminiscência.

Não podemos desapegar das técnicas por serem mecanismos aliados do candidato, tornando o estudo, além de prazeroso, um curto caminho até a aprovação. A revisão é o ato da reminiscência que perpetua a informação. Quando estudamos sem organização, revendo as matérias somente depois de concluir o ciclo, aquelas matérias que foram estudadas primeiro cairão no esquecimento, segundo as próprias orientações do método de estudo. É o famoso “branco” (“sei que estudei, mas não consigo lembrar”). Para que isto não ocorra, rever a matéria enquanto estudam outras novas é de extrema importância. Mas para evitar esse dissabor, criou-se a tabela com base em quatro critérios norteadores, quais sejam:

1º. Peso de cada matéria no exame da OAB: O edital do exame da OAB apresenta seu interesse ou peso de cada uma das matérias, quantificando proporcionalmente entre seus temas. Desta forma, na hora de distribuir as matérias na tabela devemos levar em conta o seu interesse pela FGV. Sem se ater à técnica, muitos Examinandos estudam algumas matérias sem se preocupar com o peso delas no concurso. Vejam no próprio exame da OAB, em que se ética representar 15% da prova e não se leva mais do que 5 dias para estudá-la; ao passo em que, o direito civil representa 10% desde exame e levam-se mais de seis meses para concluir todo seu estudo. Desta forma, a tabela também foi montada com base neste precioso critério.

2º. Volume do material a ser estudado: Cabe a esta receita a exposição do maior número de informação a respeito deste tema, mais precisamente sobre a quantidade de matérias a ser estudada. Observe que o direito civil, pelo volume que se soma no edital, representa mais de 35% de todo o conteúdo programático do edital e não é por isso que o Estudante dispensará mais do seu tempo de estudo; até porque o direito penal (que representa 15% da matéria do edital) tem o mesmo número de questões de direito civil na prova. Assim, cada matéria deverá ser relevada ainda que contenha um volume maior que as outras. Como sabem, o exame não avalia o candidato por uma única matéria, mas cobra-se por todas.

3º Tempo dispensado para cada matéria: Este critério se revela um dos maiores problemas dos candidatos ao exame da OAB, seja pelo excesso de horas dispensadas desproporcionalmente ou pelo uso do tempo sem qualidade. Muitos acreditam que dedicação temporal excessiva seja sinônimo de aprovação. Como se a exaustão representasse a produtividade. Estudar com qualidade, portanto, não é estudar muito, mas estudar bem com respeito à saúde e com a técnica do espacejamento (a cada 50 min dar uma pausa de 10 min – esforço/recompensa). Se tiver somente 3hs diária, aconselha-se estudar cada uma 50 minutos com a aplicação do espacejamento.

4º. Profundidade de cada matéria cobrada no Exame da OAB: Sabemos que o edital apresenta as matérias sem, no entanto, contemplar sua cobrança quanto à profundidade em cada uma delas. Conhecendo a instituição examinadora (refazendo todas as provas anteriores) vamos poder nortear os estudos e quantificá-los na tabela.

Três Passos para desenvolver a tabela de estudo das matérias do edital, podendo assim cumprir com as metas criadas: Desenvolvendo do 1º passo para elaboração da tabela do Exame da OAB:

Aqui devemos selecionar todas as matérias do edital para escalonar quantitativamente suas atividades durante os sete dias de estudos, na semana.

a. DIREITO PENAL em três oportunidades semanais, selecionadas por número de ordem:

. PENAL GERAL (nº 01);
. PENAL ESPECIAL (nº02) e
. LEGISLAÇÃO PENAL ESPECIAL (nº03).

b. PROCESSO PENAL uma oportunidade semanal, pelo menos.

b. DIREITO CIVIL em três oportunidades semanais, pelo menos, selecionadas por número de ordem:

. CIVIL GERAL/RESP CIVIL (nº01);
. CIVIL OBRIGAÇÕES/CIVIL CONTRATO (nº02) e
. CIVIL FAMÍLIA/SUCESSÕES (nº03).

c. PROCESSO CIVIL em três oportunidades semanais, pelo menos, selecionadas por número de ordem:

. PROCESSO DE CONHECIMENTO (nº01);
. PROCESSO EXECUÇÃO (nº02); e
. PROCESSO CAUTELAR/PROCEDIMENTOS ESPECIAIS (nº03).

d. ADMINISTRATIVO: uma oportunidade semanal, pelo menos.

e. CONSTITUCIONAL: uma oportunidade semanal, pelo menos.

f. TRIBUTÁRIO: uma oportunidade semanal, pelo menos.

g. DIREITOS DIFUSOS E COLETIVOS: uma oportunidade semanal, pelo menos.

h. DIREITO EMPRESARIAL: uma oportunidade semanal, pelo menos.

l. DIR. INTERNAC. PÚBLICO E PRIVADO: uma oportunidade semanal, pelo menos.

m. DIREITOS HUMANOS: uma oportunidade semanal, pelo menos.

n. ÉTICA: uma oportunidade semanal, pelo menos.

Desenvolvendo o 2º passo: Inserir todo o conteúdo do edital em cada uma das matérias acima, para a formação da tabela de estudo. Lembrando que cada item do edital se reporta a uma oportunidade no dia de estudo.

1.3. Desenvolvendo o 3º passo: Montando o mapa/calendário de estudo, rumo à sua vitória. Agora terá que desenvolver as atividades de modo que possa revê-las em um período suficiente que não as percam da memória. Ou seja, o módulo possui quatro semanas, sendo que, depois de três semanas consecutivas de estudos, inicia-se a quarta semana somente com revisão de tudo que estudou, nos mesmos dias anteriormente estipulados. Ex: Na segunda feira (da quarta semana da revisão), vou rever as matérias da 1ª, 2ª e 3ª de Penal 1, Civil 1 e Administrativo. E assim sucessivamente, conforme se nota na tabela abaixo.

1ª SEMAMA DE ESTUDOS:

SEGUNDA: Penal 1, Civil 1, Administrativo.
TERÇA: Tributário, Constitucional, Empresarial.
QUARTA: Penal 2, Civil 2, Direitos Difusos e Coletivos.
QUINTA: Eleitoral, Processo Civil, Processo Penal.
SEXTA: Penal 3, Civil 3, Processo Civil 2.
SÁBADO: Internacional, Previdenciário, Processo Civil 3.
DOMINGO: Ética.

2ª SEMAMA: CONTINUIDADE DAS MATÉRIAS DA PRIMEIRA SEMANA.

SEGUNDA: Penal 1, Civil 1, Administrativo.
TERÇA: Tributário, Constitucional, Empresarial.
QUARTA: Penal 2, Civil 2, Direitos Humanos.
QUINTA: Eleitoral, Processo Civil, Processo Penal.
SEXTA: Penal 3, Civil 3, Processo Civil 2.
SÁBADO: Internacional, Previdenciário, Processo Civil 3.
DOMINGO: Fazer prova, Ética.

3ª SEMANA: CONTINUIDADE DAS MATÉRIAS DA SEGUNDA SEMANA:

SEGUNDA: Penal 1, Civil 1, Administrativo.
TERÇA: Tributário, Constitucional, Empresarial.
QUARTA: Penal 2, Civil 2, Direitos Difusos e Coletivos.
QUINTA: Eleitoral, Processo Civil, Processo Penal.
SEXTA: Penal 3, Civil 3, Processo Civil 2.
SÁBADO: Internacional, Previdenciário, Processo Civil 3.
DOMINGO: Ética.

4ª SEMANA: REVISÃO DA 1ª; 2ª e 3ª SEMANAS

SEGUNDA: Revisão da 1ª, 2ª e 3ª semana de Penal 1. Revisão da 1ª, 2ª e 3ª semana de Civil 1. Revisão da 1ª, 2ª e 3ª semana de administrativo.
TERÇA: Revisão da 1ª, 2ª e 3ª semana de Tributário. Revisão da 1ª, 2ª e 3ª semana de Constitucional. Revisão da 1ª, 2ª e 3ª semana de Empresarial.
QUARTA: Revisão da 1ª, 2ª e 3ª semana de Penal 2. Revisão da 1ª, 2ª e 3ª semana de Civil 2. Revisão da 1ª, 2ª e 3ª semana de Direitos Humanos e Difusos e Coletivos.
QUINTA: Revisão da 1ª, 2ª e 3ª semana de Eleitoral. Revisão da 1ª, 2ª e 3ª semana de Processo Civil 1. Revisão da 1ª, 2ª e 3ª semana de Processo Penal.
SEXTA: Revisão da 1ª, 2ª e 3ª semana de Penal 3. Revisão da 1ª, 2ª e 3ª semana de Civil 3. Revisão da 1ª, 2ª e 3ª semana de Processo Civil 2.
SÁBADO: Revisão da 1ª, 2ª e 3ª semana de Internacional. Revisão da 1ª, 2ª e 3ª semana de Previdenciário. Revisão da 1ª, 2ª e 3ª semana de Processo Civil 3.
DOMINGO: Fazer prova e Revisão da 1ª, 2ª e 3ª semana de Ética.

Na quinta, sexta e sétima semanas deverão ser retomados os estudos que foram interrompidos pela quarta semana de revisão. Assim sucessivamente.

Atenção: Nas semanas seguintes de revisão (a 4ª, 8ª e 12ª), deverá o leitor rever todas as matérias cumulativamente.

Fontes
CursoRedeJuris ) 

Siga-me: 

Nenhum comentário:

Postar um comentário